Zoneamento Agrícola de Risco Climático do arroz irrigado é atualizado para Santa Catarina e parte do Paraná

O documento indica os períodos de semeadura e municípios favoráveis para o cultivo do arroz irrigado com base em três níveis de risco climático: 20%, 30% e 40%

No dia 30 de junho, foi publicada portaria que define o novo Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) para a cultura do arroz irrigado em região subtropical, especificamente em Santa Catarina e parte do Paraná. O estudo, realizado pela Embrapa Clima Temperado (Pelotas, RS), com colaboração da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), identifica as áreas de risco e define períodos de baixo risco climático para implantação e produção do arroz irrigado, de maneira a reduzir perdas, obter maiores rendimentos e, assim, servir como base para concessão de crédito e seguro rural.

O documento, portanto, indica os períodos de semeadura e municípios favoráveis para o cultivo do arroz irrigado com base em três níveis de risco climático: 20%, 30% e 40%. Foram considerados aptos ao cultivo de arroz irrigado os municípios que apresentaram condições climáticas dentro dos critérios estabelecidos – com possibilidade de sucesso de 80%, 70% e 60%, respectivamente – em, pelo menos, 20% de sua área e em, no mínimo, 80% dos anos avaliados.

 

Resultados

 

Os resultados são apresentados em tabelas de classes de risco por município, solo, ciclo e decêndio do ano, disponibilizadas pelo Departamento de Gestão de Riscos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (DEGER/Mapa). O acesso pode ser feito no Painel de Indicadores, nas Portarias de Zarc por estado ou no aplicativo Zarc Plantio Certo, disponível para dispositivos com sistema operacional Android e IOS.

 

 

Método e novos critérios de avaliação

Em termos de base de dados, o estudo utiliza séries históricas obtidas a partir de redes de estações terrestres, meteorológicas e pluviométricas mantidas por instituições ou empresas públicas estaduais e nacionais. Já as informações referentes às cultivares, disponibilizadas pelas instituições responsáveis pelos materiais, foram agrupadas em três grupos, conforme a duração média do ciclo, da semeadura à maturação, e da duração das fases de interesse para avaliação de riscos.

Com relação à avaliação das condições térmicas, o documento incorpora novos critérios com foco nas especificidades desses estados, diferenciando-se do Zarc realizado para a cultura do arroz irrigado no Rio Grande do Sul em 2018. Agora, também são considerados o risco de frio (três dias consecutivos com temperatura mínima do ar menor ou igual a 15º C na pré-floração); risco de calor excessivo (três dias consecutivos com temperatura máxima do ar maior ou igual a 35º C na floração); e risco de geada.

Segundo Silvio Steinmetz, pesquisador da Embrapa Clima Temperado responsável técnico pelo trabalho, os dois primeiros critérios foram utilizados para definir os períodos de semeadura nas áreas tradicionais de cultivo, e o risco de geada para delimitar os períodos de semeadura nas áreas não tradicionais de cultivo, como as situadas em áreas de maior altitude. “Essas escolhas foram feitas porque essas temperaturas estão ocorrendo com frequência, pelo aumento do evento de ondas de calor e ondas de frio”, explica.

De acordo com o documento, a temperatura é um dos elementos climáticos de maior importância para crescimento, desenvolvimento e produtividade do arroz. E a identificação da época de semeadura ideal é uma prática de manejo que se destaca para reduções do risco climático porque aumenta as chances de as fases críticas da cultura contornarem elementos meteorológicos adversos e/ou coincidirem com os favoráveis.

Diferenças regionais

Segundo Ivan de Almeida, pesquisador da Embrapa Agricultura Digital responsável pela parte de agrometeorologia e geoprocessamento do zoneamento, o sistema de produção de arroz irrigado em Santa Catarina e litoral paranaense se difere pelo emprego de semeadura pré-germinada. No Rio Grande do Sul, predomina a semeadura para que a germinação ocorra no interior do solo. Somente após a emergência e quando a plântula estiver com quatro folhas, inicia-se a irrigação com a manutenção de uma lâmina de água.

“Em Santa Catarina, 83 municípios irrigantes são impactados diretamente com esta tecnologia. Já no Paraná, este resultado repercute para toda a área considerada como subtropical, com destaque para os municípios do Núcleo Regional de Paranaguá, pois o restante do estado, incluindo a maior região produtora de arroz irrigado, localizada na região Noroeste, já conta com outro Zarc para regiões tropicais”, diz.

Em termos produtivos, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 82% do arroz irrigado por inundação produzido no Brasil é oriundo da região subtropical. O estado do Rio Grande do Sul é responsável por 70,1% desse montante, enquanto Santa Catarina representa 10,2% e o Paraná 1,3%.

 

Diferentes zoneamentos para o arroz irrigado

 

Dadas as especificidades de cultivo, existem diferentes zoneamentos de risco climático para o arroz irrigado. O novo estudo atualiza documento elaborado para a safra de 2011, no caso de Santa Catarina. Com relação ao Paraná, são necessários dois estudos diferentes para contemplar situações climáticas distintas: tropical, mais quente, e subtropical, mais fria. O Zarc recentemente publicado engloba a região subtropical do Paraná. A região tropical já está contemplada pelo Zarc elaborado em 2020 pela Embrapa Arroz e Feijão (Santo Antônio de Goiás, GO) para a cultura com foco no resto do país. Para o Rio Grande do Sul, o documento foi elaborado em 2018.

 

Desenvolvimento do estudo

O estudo do Zarc do arroz irrigado compreendeu quatro fases. A última foi de realização, por meio de reuniões de discussão, aperfeiçoamento e validação dos resultados. A reunião mais recente, que resultou na conclusão do trabalho, foi realizada on-line, no dia 31 de maio, e contou com a participação de cerca de 25 parceiros, entre técnicos de instituições de pesquisa, extensão e ensino; além de técnicos de cooperativas de Santa Catarina e Paraná.

A pesquisadora do Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia (Ciram) da Epagri Cristina Pandolfo ressalta a importância da colaboração da Epagri na análise de risco climático e na validação dos resultados em Santa Catarina. “Os parâmetros agroclimáticos para elaboração do Zarc e as janelas de plantio foram ajustadas em função do conhecimento local, de forma a potencializar a produtividade e diminuir os riscos climáticos em Santa Catarina”, detalha.

Esse trabalho foi realizado em conjunto com os pesquisadores Marcos do Vale, da Estação Experimental de Itajaí da Epagri, e Glaucia Padrão, do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Cepa), também da Epagri; além de extensionistas representantes das regiões produtoras de arroz no estado.

  

Comentários