Atendimento a gestantes coloca Jaguariúna em destaque no estado, com zero de mortalidade materna

Jaguariúna é uma das poucas cidades paulistas que não são afetadas pelos números negativos divulgados pelo jornal Folha de São Paulo em sua edição eletrônica de sexta-feira, 28, no tocante à mortalidade materna (mulheres gestantes) no estado de São Paulo. Conforme a publicação da Folha, levantamento feito pelo Ministério da Saúde aponta que São Paulo, o estado mais rico da federação, registrou em 2017 recorde histórico nas taxas de mortalidade materna. Foram 60,6 mortes por 100 mil, o maior índice já verificado no estado desde o início da série histórica do ministério, em 1996. Os números de 2018 ainda não estão consolidados.

Num trecho da reportagem da Folha, consta que “São Paulo teve aumento de 50% desde 2000”, diz a médica Fátima Marinho, professora do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (USP) e que até 2018 coordenou o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM).

Esses números, conforme a secretária de Saúde de Jaguariúna, Maria do Carmo de Oliveira Pelisão, , chamam atenção pelo fato de que Jaguariúna vem mantendo o número de óbitos zerado desde 2008. “O último óbito materno ocorreu em 2007, quando o município registrou 1 caso”, revela.

Nas considerações que faz para justificar o bom desempenho no atendimento às gestantes na rede municipal, Maria do Carmo destaca que em Jaguariúna a série histórica evidencia a garantia do acesso e a boa qualidade da assistência ao pré-Natal, parto e puerpério.

Segundo ela, através de medidas eficientes, que vão desde o planejamento familiar até os cuidados pós-parto, passando por todo o processo gestacional, a saúde municipal torna possível manter esse índice, garantindo acolhimento e resolutividade na assistência às gestantes.

“Antes mesmo de darem à luz, as mães recebem as orientações necessárias por parte das equipes de atendimento nas Unidades Básicas de Saúde, onde têm acompanhamento durante toda a gravidez nos padrões exigidos pelo Ministério da Saúde. E além disso, temos um hospital bem equipado e com ótimas condições de acolhimento às parturientes”, explica.

Ainda segundo a secretária de Saúde de Jaguariúna, o óbito materno é considerado um grande desafio para a saúde pública mundial, em especial para os países em desenvolvimento, representando uma das maiores violações dos direitos humanos das mulheres, uma vez que mais de 90% desses óbitos são por causas evitáveis.

 


Comentários