Jaguariúna reduz número de gravidez na adolescência

De acordo com a Prefeitura Municipal de Jaguariúna, ações realizadas em dois anos ajudam a reduzir em 50% a taxa de gravidez na adolescência

A taxa de gravidez na adolescência em Jaguariúna vem caindo nos últimos dois anos e já chega a uma redução de 50%. Os dados preliminares são do Sistema Nacional de Nascidos Vivos (SINASC). Divulgados em janeiro de 2019, os números refletem uma realidade positiva em setores como saúde, educação, cultura e esportes.

A busca por soluções para os problemas de saúde, segundo a secretária da pasta em Jaguariúna, Maria do Carmo de Oliveira Perdigão, dispensa uma tratamento especial para a gravidez na adolescência. “Sem dúvida, é um problema de saúde pública de caráter social e, felizmente, temos políticas públicas integradas, visando sua redução”, confirma a secretária.

Para ela, a atenção à saúde do adolescente deve dar prioridade à prevenção e promoção da saúde, sempre em parceria com outras secretarias da Prefeitura como educação, cultura, esporte, todos envolvidos com esse grupo etário. Na avaliação da secretária, a queda na taxa de gravidez na adolescência em Jaguariúna está diretamente relacionada à facilidade no acesso aos métodos contraceptivos oferecidos na rede básica de saúde.

Além disso, a Secretaria de Saúde trabalha na qualificação dos profissionais para atendimento desse público. Como lembra a secretária, o objetivo é qualificar o atendimento para essa faixa etária, priorizando o atendimento nas Unidades Básicas de Saúde (UBS’s) antes da gravidez. Isso inclui ações de educação e orientação em saúde, além da oferta de consultas de enfermagem, psicologia e médicas, juntamente com os métodos anticoncepcionais.

Outra ferramenta de grande importância nesse processo contínuo de informação e conscientização de meninos e meninas adolescentes foi a implantação do programa “Cola Aqui” pela Secretaria de Turismo e Cultura (SETUC) desde 2017. De uma forma dinâmica e com linguagem bastante acessível, ele oferece informações de educação em saúde e atendimento para o público adolescente, além de atividades voltadas para as áreas de esporte e cultura.

Taxa de gravidez adolescente no Brasil supera média latino-americana e caribenha

Conforme um relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em fevereiro do ano passado, o Brasil tem 68,4 bebês nascidos de mães adolescentes a cada mil meninas de 15 a 19 anos. Nosso índice, por sinal, está acima da média latino-americana, que é estimada em 65,5. No mundo, a média é de 46 nascimentos a cada mil.

Em países como os Estados Unidos, o índice é de 22,3 nascimentos a cada 1 mil adolescentes de 15 a 19 anos. O relatório da OMS foi divulgado no dia 28 de fevereiro de 2019 e as taxas se referem ao último período analisado – entre 2010 e 2015.

Outro aspecto relevante, também divulgado pela entidade, é que a América Latina é a única região do mundo com uma tendência crescente de gravidez entre adolescentes menores de 15 anos.

O que é o SINASC

O DATASUS (Departamento de Informática do SUS – Sistema Único de Saúde) desenvolveu o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC) para reunir informações epidemiológicas referentes aos nascimentos informados em todo território nacional e sua implantação ocorreu de forma lenta e gradual, chegando em todas as Unidades da Federação. A partir daí, os benefícios verificados foram:

– Subsidiar as intervenções relacionadas à saúde da mulher e da criança para todos os níveis do Sistema Único de Saúde (SUS), como ações de atenção à gestante e ao recém-nascido. O acompanhamento da evolução das séries históricas do SINASC permite a identificação de prioridades de intervenção, o que contribui para efetiva melhoria do sistema.

Funcionalidades

– Declaração de nascimento informatizada;
– Geração de arquivos de dados em várias extensões para analises em outros aplicativos;
– Retroalimentação das informações ocorridas em municípios diferentes da residência do paciente;
– Controle de distribuição das declarações de nascimento (Municipal, Regional, Estadual e Federal);
– e também a transmissão de dados automatizada, utilizando a ferramenta Sisnet e gerando a tramitação dos dados de forma ágil e segura entre os níveis municipal, estadual e federal.

  

Comentários