RMC mantém recuperação do emprego com 2,7 mil vagas criadas em agosto

Mais de 2,7 mil postos de trabalho foram gerados na Região Metropolitana de Campinas (RMC) em agosto, com destaque ao Setor de Serviços, responsável pela criação de 77% das vagas. Com o resultado, divulgado pelo Observatório PUC-Campinas com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), a região apresenta saldo positivo de empregos pelo segundo mês consecutivo.

Concentradas nos segmentos de educação, alimentação e alojamento, as vagas ofertadas foram preenchidas majoritariamente por mulheres. Ao todo, considerando os outros setores, o público feminino ocupou 69% dos postos de trabalho criados no período. De acordo com a economista Eliane Rosandiski, que coordenou o estudo, o número elevado está relacionado à característica dos cargos oferecidos, que costumam ser destinados às mulheres.

Entre os contratados, também prevaleceu a ocupação por jovens de 18 a 24 anos, que continuam substituindo mão-de-obra mais experiente. Os profissionais mais velhos, sobretudo acima de 50 anos de idade, viram quase 500 postos de trabalho sendo fechados no mês de agosto. Segundo Eliane, a transição representa uma estratégia das empresas para reduzir custos trabalhistas. “Os dados evidenciam essa situação: no período, a remuneração média dos admitidos foi 13% menor se comparada a dos demitidos”, destaca.

Diferente dos meses anteriores, o Setor de Construção Civil – que vinha sustentando a dinâmica de criação de empregos na RMC – fechou 230 postos. Essenciais para a recuperação econômica, os setores industriais tiveram novamente um desempenho abaixo do esperado, enfraquecendo as perspectivas de retomada em curto prazo. “Houve crescimento de Serviços, mas não aqueles demandados pela Indústria. Sem a recuperação de uma parte do emprego industrial, ainda não é possível visualizar a sustentabilidade da dinâmica econômica”, analisa a docente extensionista.

Em relação aos municípios que integram a região, Campinas apresentou o melhor resultado com a criação de 912 novos postos de trabalho, seguida pelas cidades de Sumaré, Paulínia e Valinhos.

Por outro lado, Monte Mor e Jaguariúna exibiram os piores desempenhos com saldos negativos de 45 e 39 vagas, respectivamente.

No acumulado do ano, o saldo de emprego gerado na RMC alcançou a marca de 14.989 novos postos formais de trabalho, o equivalente a 7,6% do emprego criado no Estado de São Paulo e 2,8% no Brasil.

Observatório PUC-Campinas
O Observatório PUC-Campinas é responsável pelo monitoramento de dados socioeconômicos da Região Metropolitana de Campinas (RMC) e está, atualmente, amparado em quatro eixos temáticos: Atividade Econômica/Comércio Internacional; Emprego/Renda; Sustentabilidade/ Desafios do Milênio; e Indicadores Sociais. Os estudos se estruturam na seleção de indicadores e análise sistêmica de dados que podem ser usados em diversos setores da sociedade.

 


Comentários